fbpx
Os 4 Requisitos da Vida Freelancer

Mentalidade Freelancer

Os 4 Requisitos da Vida Freelancer

Sebastian
Escrito por Sebastian em 5 de janeiro de 2020
16 min de leitura
Cadastre-se no FreelaNews

Junte-se a mais de 2 mil freelancers que já estão transformando suas vidas e carreiras

Eu sempre digo que ser freelancer esta além de apenas técnica ou especialidade da sua área.

Para se manter na vida freelancer como estilo de vida, carreira, profissão, é necessário que você tenha alguns comportamentos e uma visão de vida bem alinhados com seu propósito.

Por isso eu trouxe uma parte do Livro Ser Freelancer onde falo dos requisitos mínimos que eu percebi estarem presentes na vida da maioria dos empreendedores autônomos de sucesso com quem tive o prazer de conviver, e baseados na minha própria visão.

A arte de não se deixar abalar

“Resiliência” é uma palavra linda no meu vocabulário. Sempre ouvi falar dela, e conhecia seus significados; e, muito embora seus conceitos sejam lindos de ver, ler e até “sentir”, minha visão sobre seu verdadeiro significado mudou drasticamente após a leitura do livro A Sutil Arte de Ligar o Foda-se, do Mark Manson. A melhor definição para resiliência é justamente a arte de ligar o foda-se. 

No conceito original, resiliência significa algo como voltar ao “estado normal”. Essa palavra pode ser aplicada na psicologia, na administração e até na física, com significados similares e, ao mesmo tempo, distintos entre si. Para minha vida, a melhor aplicação é literalmente o mantra “Foda-se”. Isso porque resiliência, segundo a psicologia, é a “capacidade de uma pessoa lidar com seus próprios problemas, vencer obstáculos e não ceder à pressão, seja qual for a situação”, e a melhor forma de você conseguir atingir esse estado “volátil” é justamente “tacando o foda-se”. Mas veja bem, querido freelancer, não confunda esse foda-se com aquele outro em que você literalmente não se importará com absolutamente nada. Aqui esse foda-se ganha uma nova perspectiva, abre uma possibilidade de lidar com a vida e com as formas como as coisas acontecem. Foda-se aqui é a arte de se tornar resiliente, capaz de desligar-se de coisas fúteis e sem importância. A capacidade de não desistir porque ouviu alguns “nãos” na vida. A habilidade de não desistir mesmo diante de pessoas tóxicas e adversidades. Ligar o foda-se é conseguir se concentrar nos seus objetivos e não no que as pessoas querem que você faça.

Esse é o requisito mais importante na vida de um profissional empreendedor, pois, acredite, as oportunidades estão aí, mas temos a péssima mania de só olhar as portas na cara, as oportunidades perdidas, os nãos que levamos. Ser resiliente é o requisito que precede até mesmo os demais que explicarei à frente, pois é a base de um empreendedor. Nunca deixar que sua chama se apague, jamais desistir porque não deu certo. Resiliência é você continuar tentando e tentando até que dê certo!

Na física resiliência é o contrário de resistente. Ser resiliente não é você ser frio, duro e impassível. Pelo contrário, é ser capaz de expressar seus sentimentos, ouvir empaticamente os feedbacks e comentários dos outros e, mesmo assim, não se deixar abalar. 

Acredite, para Ser Freelancer, você terá que ser muito resiliente. Não digo isso para te desanimar, muito pelo contrário, resiliência é uma arte moldada a ferro e fogo, e você não poderá se deixar cair. É claro que haverá dias em que você pensará em desistir. Haverá dias em que você se questionará até mesmo o motivo, o porquê de ter começado. Mas, se o mosquito do empreendedorismo te picou, a resiliência é o vírus que correrá na sua veia, tornando-o forte o suficiente para não desistir.

Para cultivar um comportamento resiliente, você precisará ler e aplicar muitas coisas sobre autodesenvolvimento, desenvolvimento pessoal e autoconhecimento. Eu indico começar justamente pelo livro que citei do Mark, a fim de perceber que a vida pode e é muito mais colorida do que parece. Você será capaz, inclusive, de perceber que já é bastante resiliente.

Os multipotenciais existem, os multitarefas não

Cuidado com o mito de multitarefas e cuidado para não confundir multidisciplinar com multitarefas. São coisas completamente diferentes. Um existe, o outro não.

Muito provavelmente, se você está lendo este texto, você se considera ou já se considerou uma pessoa multitask, multitarefas, capaz de fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Sinto informar, mas, caso acredite nisso, você não passa de um pato.

Se tentar fazer de tudo um pouco, tudo ao mesmo tempo, você será como um pato. Veja, um pato, não é muito bom em nada do que faz, mas ele faz bastantes coisas: ele nada, anda e voa, mas não faz nada disso com excelência, e mesmo ele, verdade seja dita, não faz todos ao mesmo tempo, seria impossível. O mesmo vale para você, Ser Freelancer. É muito provável que você seja mesmo capaz de muitas coisas, e ainda mais provável que você tenha habilidades em diferentes aspectos, mas isso não significa que é ou será capaz de fazer tudo ao mesmo tempo. Como disse, é humanamente impossível.

Multidisciplinar significa exatamente isto: ser bom em diversas frentes diferentes. Além de ser seu próprio patrão, você terá que se desenvolver em outras disciplinas, tais como: gestão financeira, produção de conteúdo, atendimento, administração, etc. Mesmo que seja um especialista em uma área (designer, interiores, marketing, redação, etc.), ainda deverá tomar conta de diversas frentes como um profissional. Lembre-se de que você é o vendedor, o atendimento e o produto. Mas, para que cada área seja trabalhada com excelência, você precisa primeiro parar com essa ideia de multitarefas e começar a desenvolver suas habilidades com foco e excelência. Mas não tenha medo, porque no Pilar Gestão de Tempo falaremos mais sobre esse conceito, assim você será capaz de desenvolver essa multidisciplinaridade.

Quem enxerga mais longe vai mais longe

Dificilmente no Brasil um empreendedor nasce por desejo. A grande maioria, assim como eu, começa a empreender por necessidade. Não me leve a mal, eu amo empreender. Adoro cada parte da minha jornada e sou grato até mesmo pelas muitas quedas que tive. Mas não comecei assim. Eu sabia que não poderia mais continuar com CLT, não estava dando certo. Eu era, por definição, insubordinável, metódico e criativo. Três características terríveis para um funcionário de empresas tradicionais e hierárquicas. A verdade é que eu sonhava em encontrar um local para trabalhar que me permitisse criar, onde minhas ideias pudessem ser ouvidas e implementadas. Mesmo assim, ainda não tinha pensado, sequer sonhado, em abrir uma empresa, empreender. 

Contudo fiquei realmente muito bom no que fazia (à época, instrução de informática) e percebi que havia uma oportunidade nessa área para me tornar instrutor particular, indo de casa em casa. A oportunidade estava ali. Eu não estava totalmente consciente das possibilidades, por isso atuava nas horas vagas, fazendo extras. Em dado momento, a necessidade fez o homem. Pedi as contas de um emprego que me pagava mal e menospreza todos os colaboradores. Não tinha muitas opções, precisava pagar as contas. Minha visão da oportunidade tornou-se mais clara, mas precisei desse empurrãozinho chamado “boleto vencido” e, somado ao aluguel atrasado, precisei necessariamente focar em empreender. 

Essa não é apenas a minha realidade como é de diversos outros freelancers, talvez a sua. Mas quando começamos a empreender, não importa o motivo, não dá mais para voltar. Existe toda uma liberdade, um gosto pela coisa, uma sensação de ser “dono” do seu tempo, das suas decisões e, principalmente, do seu dinheiro. É claro que também existe o lado B, o lado das noites maldormidas, tanto para finalizar um projeto, quanto por conta da preocupação latente. Mesmo assim, uma vez mordido, dificilmente você vai desejar voltar para a CLT. 

Essa visão de oportunidade é essencial para iniciar um negócio e ainda mais para mantê-lo. Mesmo que comece, assim como eu, por necessidade, você precisará ter uma visão de empreendedor. Esse requisito é importante principalmente para que você enxergue mais longe e perceba que muitas das vezes terá que mudar de rumo, recalcular a sua rota, e isso não pode ser muito dolorido. Somente com a visão é que você poderá fazer mudanças, inclusive de área, sem sofrimento.

A partir do Requisito Visão de Empreendedor, você será capaz de enxergar novas oportunidades, possíveis novas áreas de atuação e até novas formas de gerir seu negócio. A visão é uma forma de manter a roda girando, sem jamais parar, retroalimentando seu negócio e servindo de combustível para se manter sempre à frente do seu negócio e até da concorrência. Esse requisito será imprescindível para seu posicionamento, assunto que me aprofundarei no primeiro pilar.

Foi por conta desse requisito que pude mudar de Instrutor Particular para Designer de Marcas, posteriormente para Web Designer e mais tarde para Consultor e Mentor de Empresários, como faço hoje – até o momento em que escrevi esse livro*, afinal, quem sabe para onde a Visão me levará?

Descubra o que você ama e nunca mais terá que trabalhar…

Tá bom, tá bom… você já deve estar saturado desse conceito. Não é de hoje que reutilizam essa frase, diversas e diversas vezes. Na maioria das vezes ela tem como objetivo incentivar o empreendedor a largar de vez a CLT, ou a focar em descobrir sua vocação e transformá-la em negócio. Eu adoro esse conceito, especialmente porque já trabalho com o que amo e sempre descubro novos amores no que faço. Mas não se engane, isso nem sempre foi assim.

Eu levei alguns bons anos para saber o que realmente amava fazer, mesmo já atuando como empreendedor, freelancer e mesmo após ter finalmente estabelecido uma empresa de consultoria com equipe e tudo. Eu só descobri muito recentemente que minha verdadeira paixão é ensinar. Não importa o quê. Não importa como. Não importa por onde. Mas essa é a minha paixão, o que me motiva a levantar da cama todos os dias. Na realidade, por trás dessa paixão existe uma ainda maior: aprender. 

Ebooks

Como começar a vida freelancer?

Eu sou verdadeiramente apaixonado por aprender, aprender cada vez mais. Eu passaria o resto da minha vida apenas aprendendo. Especialmente comportamento humano. Eu amo seres humanos e nossas múltiplas variações. Com certeza é por conta disso que eu adoro desenvolvimento pessoal. Essa é a área em que mais posso aprender sobre o comportamento humano. E, acredite, a melhor forma de aprender é ensinando. Eu sempre soube disso. Muito antes de ler sobre as milhares de pesquisas que comprovam isso. Eu sempre disse isso. O mais engraçado é que só descobri que essa era realmente minha paixão, aprender ensinando, há pouco tempo. Perceba que, no entanto, comecei minha jornada fazendo exatamente isto: ensinando. Portanto, mesmo hoje no marketing digital, à frente como consultor de negócios, é exatamente o que eu amo fazer: ensinar outros empreendedores, sobre os mais diversos assuntos, especialmente desenvolvimento pessoal, mindset e alguma coisa aqui e outra ali sobre técnica. 

Não subestimo meu conhecimento técnico, mas isso até o Google ensina, a verdade é que somos capazes de aprender melhor pela emoção e, para lidar com isso, é preciso autoconhecimento, muito autoconhecimento. Consegue perceber que paixão é dos quatro Requisitos Mínimos, o que tem mais apelo emocional? Com a paixão por aquilo que se faz, você será capaz de avançar em sua jornada. Com esse requisito você poderá se tornar sua melhor versão, tornando-se um melhor profissional.

Pode ser que você ainda não esteja atuando com aquilo que ama. Isso não é impeditivo para que tenha esse Requisito. Antes de descobrir o que realmente amava fazer, eu me mantinha apaixonado pelo que estava fazendo. Aprendi a amar aquilo que fazia, mesmo que não enxergasse como o meu propósito de vida. A verdade é que, quando nos deparamos como empreendedores nascidos da necessidade, o propósito e a paixão pelo que fazemos não é tão clara. Pode demorar um tempo, semanas, meses e até anos, como aconteceu comigo, para que você descubra qual é sua grande paixão, até lá, ame verdadeiramente o que está fazendo. 

Até que descubra um propósito, foque-se em amar o que você faz. Se você não tentar fazer isso, dificilmente conseguirá empreender. Paixão é um requisito forte, emocionalmente capaz de impulsionar a novos patamares e, sem isso, empreender torna-se árduo, difícil, dolorido e chato. Não caia no conto de você não trabalhará um só dia sequer, pois não é totalmente verdade. Na realidade esse conceito indica apenas que você tornará seu trabalho mais divertido, gostoso e fácil de lidar. 

Uma forma muito simples de você aprender a amar o que faz, mesmo que ainda não sinta como sua grande paixão, é sair do Ciclo de Reclamação. Busque parar de reclamar de tudo, comece percebendo durante seu dia a quantidade de vezes que está reclamando. Faça isto: para cada reclamação que fizer, procure três motivos para agradecer. Reclamar não resolverá problemas, é preciso focar em soluções. Entende o por que autoconhecimento está intimamente ligado ao ato de empreender? 

Paixão é o combustível que manterá sua chama acesa, e você não pode ser a pessoa a jogar água nessa chama nem poderá permitir que terceiros façam isso. Resiliência é o requisito que te tornará suficientemente forte para proteger essa chama. Será preciso ser multidisciplinar para compreender a si mesmo como um sistema sustentável. E sua visão de olhar além, de perceber as oportunidades que a vida te dá e que a jornada te apresenta, te ajudará a ir cada vez mais longe. Somados, esses Requisitos Mínimos te ajudarão não apenas a empreender em sua área, mas a se manter em pé mesmo diante das possíveis adversidades que virão.

* Esse conteúdo foi retirado do Livro “Ser Freelancer – Um Livro Sincero para quem quer deixar de ser um sobrinho gourmetizado

Hey freela,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Pin It on Pinterest

Share This