O que é e como sobreviver a um cliente passivo-agressivo?

O que é e como sobreviver a um cliente passivo-agressivo?

O que é um cliente passivo-agressivo? Onde vive? Como se alimenta? Como pode fazer você explodir de raiva? Descubra tudo, hoje, no Glob… ops… nosso blog.

Nas relações que desenvolvemos em nossos trabalhos como freelancer, encontramos todos os tipos de pessoas e reações. E aprender como negociar com os vários tipos de perfis com que precisamos lidar é essencial. Saber como reagir a certas pessoas pode nos garantir trabalho e confiança, evitar problemas futuros e nos poupar de alguns cabelos brancos. Mas, hoje, quero falar aqui sobre o cliente passivo-agressivo. Você talvez não saiba exatamente o que é isso, mas pode estar convivendo com um sem saber.

O que é um cliente passivo-agressivo

O comportamento passivo-agressivo pode surgir em qualquer pessoa, inclusive em você. E muitas vezes nem notamos que é um comportamento nocivo.

O cliente passivo-agressivo é aquele que parece calmo, mas guarda uma raiva e tenta atacar você, veladamente, sem demonstrar. Ele é agressivo, porém passivo e, por isso, não deixa transparecer sua raiva, nem ataca você na hora em que algo acontece. Ele é sarcástico, perfeccionista, procrastinador, tende a ser mal-humorado e não é aberto a sugestões e críticas.

Um cliente passivo-agressivo nunca vai dizer na sua cara que não gostou do seu serviço, mostrando o que poderia mudar e como ele acha que poderia ser melhor. E isso é um desastre. Sem o feedback, você não sabe o que pode melhorar. Aí ele acha um jeito melhor de fazer as coisas sem precisar do seu trabalho ou, até mesmo, incomoda tanto que faz você desistir.

Como identificar um cliente passivo-agressivo

Inicialmente eles parecem bem amigáveis e sociáveis, mas certas atitudes revelam o comportamento agressivo que tentam esconder.

  • Podem ser grossos ou desrespeitosos, sempre com comentários ácidos, querendo demonstrar um comportamento rebelde.
  • Têm dificuldade em assumir seus erros e sempre tentam culpar os outros.
  • São ressentidos e têm grande dificuldade de perdoar. Na primeira oportunidade que tiverem, vão ressuscitar erros do passado pra jogar na sua cara.
  • Gostam de mostrar autoridade e por isso não são abertos a críticas e sugestões.
  • São muito críticos e perfeccionistas em tudo.
  • Sempre estão justificando sua baixa performance quando estão em uma equipe.
  • Têm medo de ser dependentes.
  • São procrastinadores e têm dificuldades em cumprir o que prometem.
  • Costumam deixar tudo pela metade.
  • São esquecidos.
  • Não dão muito valor a objetos, nem a relacionamentos pessoais. Por isso podem simplesmente trocar você pelo concorrente sem nem explicar por quê.

Como lidar com esse tipo de cliente?

Um cliente passivo-agressivo é muito difícil de lidar, até porque ele não demonstra resistência direta; muitas vezes adota um tom pacificador e compreensivo, embora internamente esteja cultivando sentimentos agressivos.

Um cliente passivo-agressivo acredita que “bater de frente” é pior, por isso vai evitar conflito e sempre tentar resolver isso de outras formas. No começo parece bom, mas aos poucos você passa a notar que isso só prejudica seu relacionamento com ele e dificulta e atrasa seu trabalho.

Para lidar com um cliente passivo-agressivo, talvez uma das formas mais eficientes seja se manter passivo. Mas sem ser agressivo. Como ele tenta minar de forma indireta, ao notar que isso não está funcionando, pode adotar uma postura mais branda.

E, se mesmo assim você não conseguir lidar com esse cliente passivo-agressivo, talvez esteja na hora de demiti-lo, antes que você exploda de raiva.

Dicas para ganhar dinheiro como revisor freelancer

Dicas para ganhar dinheiro como revisor freelancer

Já que dia 28 de março é Dia do Revisor, nada melhor do que dar algumas dicas especiais para que você tenha sucesso e ganhe muito dinheiro na carreira de revisor freelancer.

No dia 28 é comemorado o Dia do Revisor. O Revisor freelancer é uma profissão que cresce cada vez mais por conta da globalização e da facilidade na criação e divulgação de conteúdos. Nunca antes na história deste planeta se produziu tanta informação. E, com tanta informação assim, se faz necessária a presença de um profissional que possa revisar, alterar e melhorar os conteúdos produzidos.

Seja por meio de uma empresa especializada, seja como revisor freelancer, o caminho é árduo e você precisa estar preparado tanto emocionalmente quanto, principalmente, tecnicamente. Revisar não é apenas corrigir erros de português. Hoje, com o conteúdo para internet tomando cada vez mais importância, o revisor freelancer precisa saber muito mais para poder ter sucesso em sua jornada. E é sobre o que fazer para conseguir alcançar esse sucesso que vou falar nas próximas linhas.

Por onde começar? Amor e especialização.

Se você quer começar sua carreira como redator freelancer, é preciso internalizar estas duas palavras: amor e especialização.

Primeiramente deve ter amor por ler, escrever e interpretar textos dos mais variados. Se você não gostar realmente disso, com certeza vai achar um saco o que está fazendo e vai começar a entregar um trabalho ruim. Portanto, aquele clichê é superválido aqui: ame o universo da leitura e da escrita.

Se você ama isso, aos poucos vai começar a se especializar na área. Primeiro pode começar a ler livros e ter aulas que ensinem mais sobre gramática, interpretação e conteúdos mais técnicos da língua portuguesa. Depois pode conhecer também sobre a criação de textos para web, aprendendo um pouco sobre SEO, otimização de textos para mecanismos de busca, técnicas de persuasão e escaneabilidade. Quanto mais você aprender nesta área, melhor será para o seu currículo.

Fazer faculdade de letras ou em alguma área da comunicação é um grande diferencial, mas você pode começar com ebooks e cursos grátis, como os da Universidade Rock Content ou da HubSpot. Também existem outros cursos online e até graduações à distância que você pode fazer. A internet tem uma infinidade de possibilidades. Vale a pena você investir algum tempo pesquisando todos os cursos e conteúdos disponíveis que possam agregar valor à sua carreira de revisor freelancer.

Busque referências com pessoas que já trabalham nessa área. Leia blogs ou fale com amigos que tenham algo a contar sobre essa carreira. Você pode entrar em grupos de discussão no Facebook ou em outros fóruns da internet. Quem trabalha com isso pode dar um panorama mais real sobre o mercado, contar segredos e mostrar atalhos que você pode seguir para alcançar o sucesso.

Por fim, se possível, busque experiências profissionais. Faça um estágio ou algum trabalho que lhe permita ter contato mais próximo com o mercado e, principalmente, criar network. Começar do zero, sem ter ninguém pra indicar você vai ser muito difícil. No começo, toda experiência é bem-vinda e vai ajudar a montar um portfólio mais sólido.

Como ser revisor freelancer e conseguir os primeiros clientes?

Não basta apenas ter amor e se especializar para ser considerado um revisor freelancer. Você precisa ter clientes, não é mesmo? É isto que todos nós queremos: clientes e dinheiro. Por sorte, hoje em dia, com a internet é possível que você consiga clientes em qualquer lugar do mundo, sem sair de casa. É possível ter sucesso, ser reconhecido e ganhar uma baita grana sem tirar o pijama!

Mas, antes, você precisa se preparar e saber onde buscar esses clientes.

A dica número 1 é: crie um site para apresentar seu trabalho (e um pouco mais sobre quem é você). Não é difícil. Existem várias ferramentas gratuitas, como Wix e WordPress, e a maioria dos servidores, onde você vai comprar seu domínio, também oferecem ferramentas para criação de sites.

A dica número 2 é: divulgue seu trabalho nas redes sociais. Tenha página no Facebook, Twitter, Instagram e, principalmente, no LinkedIn. É lá onde se encontram pessoas que podem ser seus futuros clientes e parceiros.

A dica número 3 é: se cadastre em plataformas como a Contentools e Rock Content. Elas são especializadas em criação e gerenciamento de conteúdo para várias empresas, que precisam contratar redatores, revisores e designers para trabalhos freelancer. Dessa forma, eles podem conseguir os clientes de que você precisa de maneira prática e dinâmica.

Dica bônus: seja profissional e tenha as ferramentas necessárias

Você iria a um dentista que não tem ferramentas adequadas e faz tudo com um martelo e um alicate? Acho que não, né? Portanto, você também precisa ser profissional na sua carreira de revisor freelancer.

Primeiramente, estude a possibilidade de criar um MEI para ter seu próprio CNPJ. Já falei aqui sobre como ele é importante e pode ajudar a conseguir mais clientes.

Além disso, busque instrumentos que tornem seu trabalho mais fácil e rápido. Pesquise sobre ferramentas de automação que podem ajudá-lo a ser mais organizado e produtivo.

Você pode também aproveitar para adquirir um ebook que vai ser uma mão na roda na sua carreira de revisor freelancer: o Manual de Sobrevivência do Revisor Iniciante. Esse ebook é sensacional e explica tudo o que você precisa saber. Além disso, conseguimos um descontaço para quem é nosso parceiro. Você terá 15% de desconto na compra desse ebook, basta adicionar o cupom de “SerFreelancer” que a Carolina disponibilizou para os leitores do blog! Valeu, Carol!

Aproveite, pois o desconto só é válido por 15 dias, contados a partir deste dia 28 de março. Deixe seu comentário e vou lhe passar o passo a passo para conseguir o seu com esse descontão!

Agora é com você. Meus parabéns pelo seu dia, revisor. E muito sucesso em sua futura carreira.

Home office ou Coworking? O que é melhor para o Freelancer?

Home office ou Coworking? O que é melhor para o Freelancer?

Trabalhar em home office é bom demais. Mas será que um coworking para freelancer não pode ser uma opção mais interessante para evitar a solidão e promover o networking?

Se você é freela, com certeza já deve ter ouvido aquela famigerada frase: “Deve ser muito bom trabalhar em casa, né?” Mas existe outra opção, e quero te mostrar que existe sim coworking para freelancer!

Sempre tem alguém que vê nosso trabalho e pensa que é uma maravilha poder trabalhar no conforto do lar. De fato, é. Mas nem tudo são flores no mundo de um freelancer. Tudo na vida tem vantagens e desvantagens. E aqui a gente vai falar sobre essa parte boa e ruim da vida de freela e te ajudar a analisar: será que não tá na hora de ir pra um espaço de coworking? Ou é melhor ficar em casa mesmo?

Vantagens do Home office

Trabalhar em casa é ótimo. Primeiro porque você não precisa se deslocar para ir ao trabalho. Nem se arrumar, nem escovar os dentes e pentear o cabelo. Só sai da cama e trabalha (às vezes nem sai da cama). Isso é ótimo. Embora eu aconselhe que você busque criar uma rotina e um espaço especial para o seu trabalho. Não fique muito perto da cama, nem com roupas confortáveis demais. Os riscos da sua cama te seduzir e você acabar perdendo sua produtividade é imenso.

Trabalhar em casa também é barato. Você não gasta com deslocamento, nem precisa almoçar fora. Não gasta nem sola de sapato.

Ou seja, você poupa tempo, gasta menos e pode ser mais produtivo, se não tiver tantas interrupções e distrações em sua casa.

Uma pesquisa realizada pela SAP Consultoria RH, intitulada “Pesquisa Home Office Brasil”, de 2016, apontou um aumento de 50% no número de empresas que adotaram essa modalidade de contratação, comparado com a pesquisa anterior, de 2014.

Definitivamente, o Home office se torna cada vez mais conhecido, defendido e recompensador. Porém… Ah, o porém…

Desvantagens do Home office

Precisamos falar o que muitos não têm coragem. Trabalhar em casa é bom, mas é uma solidão imensa! E não diga que você adora trabalhar sozinho, sem ninguém pra incomodar. Logo, logo, você vai ver que sentirá falta de alguém pra conversar, trocar uma ideia, falar sobre o trabalho, ter discussões sobre os negócios e tudo mais.

Aliás, este podcast do Aparelho Elétrico fala exatamente sobre esse isolamento na vida de um freelancer e tudo o que isso pode acarretar. E, aproveitando, indico mais outro que faz este confronto entre home office e coworking.

O isolamento do home office te deixará menos criativo, você passa a não ter aquele contato social que te permite conhecer pessoas e oportunidades novas. Você acaba ficando fechado em um casulo, cada vez mais solitário. Por isso, os espaços de coworking para freelancers estão fazendo tanto sucesso.

Saia do casulo e vá para um coworking

Se você ainda acha que um coworking para freelancer não é muito vantajoso, já que vai precisar se deslocar e vai precisar pagar mensalidades caras para usar o espaço, então precisa se atualizar.

Eu te apresento o Beer or Coffee, o “Uber de coworking”. Quando você precisa de um carro pra te levar a algum lugar, você pede um Uber e pronto, certo? O Beer or Coffee funciona do mesmo jeito. Precisa de um coworking hoje, entra e contrata uma diária. Você pode contratar pelo dia que precisar ou pacotes que te permitem usar alguns dias, de acordo com suas necessidades.

E, o melhor, são diversos coworkings espalhados pelo Brasil inteiro! Você pode utilizar cada dia um espaço diferente, em cidades diferentes, inclusive. Aonde você for, você terá um espaço especial pra você, com diversas pessoas e oportunidades para conhecer!

E ainda não acabou! Se você se cadastrar por este link aqui, ganha 5% de desconto em qualquer plano (que já são muito baratos).

Quer mais? Tá bom! Parceiro aqui do Ser Freelancer ganha uma diária grátis. Ou seja, eles já te dão uma diária gratuita e você ainda vai receber outra!

Gostou? Então se liga no passo a passo para receber o desconto:

  1. Acessar o link
  2. Criar um conta
  3. Usufruir das diárias grátis incluídas no perfil
  4. Para contratar um plano com 5% de desconto, basta informar, no chat dentro do site, da parceria junto do Ser Freelancer que você irá receber um link para pagamento com o desconto incluso.

Pronto! Agora você já pode experimentar o trabalho em um coworking e tirar suas conclusões se vale mais a pena trabalhar em home office ou em um desses espaços compartilhados.

Aliás, aproveita e conta suas experiências nos comentários.

O que é melhor: Ser freelancer generalista ou especialista?

O que é melhor: Ser freelancer generalista ou especialista?

Ser freelancer generalista ou especialista é uma dúvida comum no início dessa jornada. Mas qual o melhor caminho? Eu te dou algumas dicas pra te ajudar nessa escolha.

Se você é um freelancer, certamente já deve ter se deparado com essa dúvida. Será que é melhor ser mais generalista e manter o leque de opções aberto para diferentes tipos de trabalho ou é melhor se especializar em algo específico?

Vamos te ajudar a resolver esta dúvida, mas antes, o que significa ser generalista ou especialista?

O que é um freelancer generalista?

Um generalista, como o próprio nome sugere, é aquele que executa diversos trabalhos, sem se definir como especialista em apenas uma coisa. Na área de design, por exemplo, o freelancer generalista pode pegar um job para a criação de um logotipo, um outdoor, um banner de internet ou o layout de um site. São várias áreas diferentes e trabalhos que exigem níveis de habilidade e, em alguns casos, ferramentas diferentes.

O que é um freelancer especialista?

Ao contrário do generalista, o especialista, como diz o nome, é focado em apenas uma área. Usando o mesmo exemplo de um designer, nesse caso um especialista poderia ser focado apenas em criar artes gráficas para redes sociais. Ou um especialista apenas na criação de logotipos e identidades visuais de marcas. Um especialista é focado em apenas um tipo de trabalho e, portanto, se mostra muito mais experiente e qualificado na área de sua escolha.

Qual o melhor caminho a seguir? Ser freelancer generalista ou especialista?

Afinal, qual o melhor caminho a seguir? A resposta é simples: não sei! Tudo depende de você. O que posso fazer é te mostrar as vantagens e desvantagens de um e outro, mas é você que precisa definir qual o melhor para o seu negócio.

Primeiramente, você precisa analisar se realmente é especialista em algo. Se você não tem muita experiência, nem estudo em determinada área, não adianta se posicionar como um, pois, no fim das contas, vai acabar dando um tiro no próprio pé.

Para se tornar especialista em algo você precisa, primeiro, muita vontade e amor pela área que você deseja focar e, então, uma boa dose de estudo, conhecimento técnico e teórico, aliados a experiência.

Pra ser generalista você precisa ter uma mente aberta e estar sempre ligado nas novidades de todas as áreas relacionadas ao trabalho que você desempenha. Se é um freelancer generalista em marketing digital, por exemplo, tem que estar sempre ligado nas novas redes sociais que surgem, novas formas de anúncios online, técnicas de engajamento etc.

A vantagem de ser um freelancer generalista é que você pode pegar vários tipos de trabalhos para os mais variados clientes. E a desvantagem é que você pode acabar pegando jobs que você não gosta, além de ter que ter preços mais baixos, pois a competitividade é maior. Você provavelmente vai ter muito mais oportunidades, mas talvez com valores menores do que os cobrados por um especialista.

E um especialista, além da vantagem de poder cobrar mais por determinado trabalho, já que ele (em tese) é um dos melhores para aquele tipo de serviço, também cria uma certa autoridade e prestígio no trabalho que executa. Se você é um especialista em Marketing Sensorial, por exemplo, pode depois investir na criação de ebooks, livros e palestras, mostrando ainda mais sua experiência nessa área.

A desvantagem de um especialista é que o mercado dele é mais restrito, sendo necessário uma comunicação bem assertiva para atingir diretamente o público que deseja.

Agora, qual desses dois caminhos é o melhor para o seu negócio, aí é uma análise que você deve fazer com bastante calma. Sugiro ainda que ouça esse podcast do Aparelho Elétrico, onde eles comentam esta questão e dão mais informações e opiniões sobre o assunto.

E se quiser saber mais sobre esse e outros assuntos e ainda conversar mais comigo, é só se inscrever no meu Clube Vip. É de graça. Se inscreve e depois me conta qual caminho você decidiu seguir.

3 dicas de como ser freelancer na prática.

3 dicas de como ser freelancer na prática.

O que é preciso para iniciar a carreira de freelancer e ser bem sucedido? Eu vou te contar três dicas essenciais (e uma dica bônus) que vão facilitar sua vida.

Pra muita gente, ser freelancer é o trabalho dos sonhos. Poder trabalhar de casa, ou na praia, viajando, podendo acordar mais tarde, fazendo tudo mais tranquilo e sem estresse. Mas COMO Ser freelancer na Prática?

Bom seria se fosse assim como todos imaginam! Ser freelancer é muito mais complicado e vai exigir muito mais trabalho do que você imagina. Se pensa que ser freelancer é ficar de boa, trabalhando na praia, melhor repensar seus conceitos e se preparar. A vida de freela requer muito esforço, principalmente no começo.

Mas, se você quer aprender como ser freelancer de sucesso, com uma vida estável e qualidade de vida, tenho algumas dicas essenciais para o seu início de carreira, que me ajudaram bastante e, com certeza, também vão te ajudar.

1 – Não jogue tudo pro alto

Antes de se arriscar na carreira de freelancer, você precisa saber se é esse mesmo o caminho certo pra você. Neste artigo aqui, eu expliquei um pouco disso. Falo sobre como saber qual tipo de freelancer você é. Explico um pouco sobre como encontrar esse caminho. Leia.

Se você está começando, mas ainda tem um emprego, não pense em largar tudo logo de cara. Vá planejando a sua carreira enquanto ainda trabalha e tem uma renda fixa. Vá organizando tudo nas horas vagas e deixando o seu negócio tomar forma. Assim, a hora que você decidir largar tudo, já terá um modelo de negócio pronto, clientes e, quiçá, uma boa renda para não passar sufoco.

2 – Organização é essencial!

Agora que você não terá um patrão ou outros superiores para dizer o que você tem que fazer, como, quando e tudo mais, vai precisar ter muita disciplina e organização. Você vai precisar manter sua agenda sempre em ordem e ter muita força de vontade pra manter rotinas regradas. Se não, você corre o risco de ficar relapso e um procrastinador profissional.

E não há como ser freelancer sem técnicas e materiais que te ajudem nesta sua organização. Sugiro que você leia este outro artigo onde falo sobre o “Freelancer Doc Box”. São vários materiais essenciais pra quem está começando na carreira como: planilha de fluxo de caixa, cálculo do valor da hora de trabalho, modelo de estrutura de pastas, modelo de contrato de prestação de serviços e proposta comercial, planilha de pauta semanal, follow up e de cadastro de clientes e fornecedores. Se você quer ser um freelancer de sucesso, precisa deste box. Seu trabalho vai ficar muito mais fácil, organizado e será possível conseguir mais clientes e faturamento.

3 – Saiba vender seu trabalho

O calcanhar de Aquiles da maioria dos freelancers é mostrar seu trabalho, vender o serviço e conseguir cobrar um bom valor. Mas hoje, com as redes sociais, é possível fazer tudo sem sair de casa e gastando pouco.

Pense no tipo de serviço que você faz e onde seu público está. Então, esteja lá também, interaja, mostre o que você faz. Crie um site, bote a cara nas redes sociais, fale com seus amigos e familiares e explique o que você faz. Quanto mais networking você fizer, maiores serão as chances de fechar um bom negócio.

Eu também já fiz um guia sobre vendas para freelancer, que você pode ler e colocar em prática imediatamente.

Dica Bônus

Leia e estude sempre! Simples assim! Um freelancer precisa estar antenado em tudo que está acontecendo, nas novidades, em novas formas de trabalhar. Por isso você precisa ler tudo que puder sobre a vida de freela, sobre a sua área de atuação e como gerenciar o seu negócio.

Pra te ajudar nisso, deixo como sugestão final, este texto do Henrique Pochmann, do Aparelho Elétrico, que explica muito bem todos os detalhes da vida de um freelancer. É praticamente um manual, com tudo que você precisa saber.

E outra dica essencial é se cadastrar no meu Clube Vip. Lá a gente pode conversar melhor pelo whatsapp, trocar ideias e você ainda recebe sempre meus textos, podcasts e mais novidades, tudo de forma rápida e prática.

Pin It on Pinterest