fbpx
Como montar um Home Office com R$ 1.200

Como montar um Home Office com R$ 1.200

Uma coisa que tem ficado claro nos ultimos meses é que o Home Office veio para ficar. Não é apenas o futuro. Ele já é agora.

Algumas pessoas, inclusive freelas, começaram a trabalhar home office durante a pandemia e nem todo mundo já tinha um espaço ou um setup para trabalho que fosse adequado.

Por isso, no texto de hoje, eu quero dar algumas sugestões para você montar um Home Office com até R$ 1.200. Claro Sem contar o frete

A primeira peça necessária é a Mesa. Ela precisa te ruma altura ideal de 75 cm e dimensões que caibam em qualquer (ou quase) lugar. Minha recomendação é a Escrivaninha Cavalete da MadeiraMadeira, custando R$ 180,40, podendo ficar na sala ou qualquer outro cômodo da casa. – link para comprar aqui.

Eu pensei na ergonomia desde o inicio, mas isso não é apenas sobre altura da mesa, é também sobre o conforto, já que passamos horas e horas na frente da telinha, certo?

Por isso seguindo a linha de melhor custo benefício, eu recomendo a Cadeira Secretaria, por R$ 298,30, disponível no site das Americanas e você consegue o link aqui.

IMPORTANTE! Nesse setup eu estou considerando que você já tenha um notebook para seu trabalho. No entanto o notebook não é o melhor computador para trabalhar, já que você precisaria de pelo menos um suporte para colocá-lo na altura dos olhos, que é o recomendado.

Portanto será necessário a aquisição de um monitor que também considera a melhor ergonomia. Com aqui no meu home office eu já uso um computador de mesa, então peguei essa recomendação do Canal Escolha Segura, que confio bastante e parece ser a melhor opção custo-benefício.

A é do Monitor da Dell Widescreen 18.5″, modelo E1916H, com investimento R$ 576,08, disponível na Amazon e o link você consegue aqui.

Por último, mas não menos importante, será necessário a aquisição de um Teclado e Mouse, e na linha de melhor custo-benefício, segue a recomendação da Thalita Lèfer, do Amarelo Criativo: Kit Freestyle Series – Amarelo por R$ 99,90, também disponível na Amazon e o link ta aqui

Com essas recomendações você consegue montar um cantinho só seu para o trabalho home office, e economiza tempo de dinheiro.

Esse post é 100% orgânico e não houve patrocínio e também não to usando links de afiliado, não que isso seja um problema, mas gosto de manter tudo transparente!

Comenta se curtiu esse post e se gostaria de ver mais recomendações de Setup por aqui!

O Mercado Freelancer pós-Coronavírus (COVID-19)

O Mercado Freelancer pós-Coronavírus (COVID-19)

A crise gerada pela pandemia do novo Coronavírus está se espalhando pelo mundo inteiro. Não é apenas uma crise humanitária e de saúde pública, é também econômica. Todos nós seremos afetados de alguma maneira.

Não é exagero nenhum quando falamos que o mundo não será mais como antes. No entanto, isso ainda pode ser bom. Talvez seja o momento de muitas coisas mudarem para melhor.

Não podemos mudar o que já está acontecendo, mas podemos alterar nossa forma de ver a situação e, claro, nossa reação perante tudo isso. Não estou dizendo que devemos romantizar a crise, mas tentar extrair alguma coisa boa, para o que virá depois. Por isso, trouxe aqui algumas reflexões sobre o que podemos esperar, especialmente para o mercado freelancer após toda esta turbulência.

O que está mudando? O que as mudanças trarão de bom e ruim? Como você pode se preparar para aproveitar as oportunidades que surgirem?

Falei um pouco sobre isso tudo no episódio 10 do podcast Freela Talks e aprofundo ainda mais nas linhas abaixo!

Os impactos econômicos da crise

A partir do momento em que entendemos o cenário econômico mundial, como tudo funciona, suas causas e consequências, conseguimos nos preparar melhor para o que pode acontecer.

Não tem tempo para ler o artigo completo? Ouça o resumo no FreelaTalks ?

Muitas pessoas perderão seus empregos, muitas empresas precisarão fechar suas portas, a demanda por alguns serviços pode diminuir bastante.

As projeções apresentadas em um relatório divulgado pelo Departamento das Nações Unidas para Assuntos Econômicos e Sociais (DESA, na sigla em inglês) mostram que a economia mundial pode ter queda de 0,9% em 2020. Isso se as medidas de combate ao vírus, a melhora da saúde pública e o suporte financeiro apresentados por diversos governos derem certo. Caso contrário, é possível uma queda ainda maior.

Parece pouco? A projeção era de que a economia mundial tivesse aumento de 2,5%. Na última grande crise enfrentada globalmente, em 2009, a recessão fez a economia retrair 1,7%. Foi o suficiente para quase quebrar a maior potência do mundo, os Estados Unidos.

Mas calma! Também foi nessa época, 2008 e 2009, que surgiriam grandes startups e diversas tecnologias e iniciativas disruptivas pelo mundo todo, como Airbnb e Uber.

A economia vai sofrer e muita coisa vai mudar. Porém, isso tudo pode ser bom!

Nada voltará ao normal depois da Covid-19 e talvez isso seja bom

A pandemia causada pelo novo Coronavírus está sendo comparada a grandes guerras, tamanho o impacto que ela deixará em toda sociedade.

Não vamos desconsiderar todo o sofrimento que será (e já é) causado em tantas famílias, impactadas das mais variadas formas. Tenho feito o que está ao meu alcance e incentivado outros, dentro das minhas redes, a ajudar no que pudermos, mas é preciso dar um ar de esperança, olhar um pouco a luz do fim do túnel, principalmente no meio de tantas notícias que geram mais e mais ansiedade. É possível enxergar essa luz e talvez isso seja até benéfico de alguma forma, pois está nos mostrando que o mundo não precisa mais voltar a ser como era antes e, sim, caminhar para uma evolução, uma nova forma de viver em sociedade.

Estamos entendendo que é possível viver com menos, sem sermos tão consumistas. Estamos aprendendo que é importante dar suporte para o sistema de saúde, manter hábitos de higiene e que o trabalho e a economia podem pensar em soluções mais flexíveis, se adequando melhor a momentos de instabilidade.

Muita coisa está mudando agora e vai mudar em breve. Você só precisa decidir se vai ficar alheio a isso e continuará resistindo, ou se aceita a mudança, aprende com ela e passa a encontrar as oportunidades que uma nova realidade pode trazer.

O que está mudando com a crise causada pelo novo Coronavírus

É importante analisar que nenhuma crise revela algo que não existe. Ela, na realidade, potencializa ou evidencia coisas que já acontecem na sociedade. O home office, por exemplo, que entrou em voga, já era uma realidade para diversas empresas e empreendedores, principalmente no mercado freelancer.

Muita coisa está sendo colocada em evidência, mais pessoas passam a conhecer, prestar atenção e podem se tornar comportamentos e ideias mais presentes daqui pra frente.

A seguir apresento algumas coisas que estão mudando, que impactarão o mercado freelancer e, claro, o dia a dia de boa parte do planeta de hoje em diante.

Podemos ser mais minimalistas

Essa crise está servindo para nos mostrar que podemos ser mais minimalistas, viver com menos, pensar mais na qualidade de vida, em colecionar momentos e acumular menos objetos.

Isso tem muito a ver com o mercado freelancer, que tem muito disso em suas ideias. O freela geralmente escolhe trabalhar assim, pois sabe que pode ter mais liberdade para aproveitar a vida, ser mais feliz, fazer o que gosta e estar perto daqueles que ama.

Estamos nos tornando mais empáticos

Em momentos como este podemos voltar a ter esperança na humanidade. Um vírus colocou todos no mesmo barco. Ricos, pobres, asiáticos, americanos, brancos, negros, todo mundo poderá pegar o vírus. Todos nós precisamos nos unir, cada um fazendo sua parte para que ele seja derrotado.

Até países em guerra estão colaborando para conter a disseminação do vírus. Muitos estão em casa, mesmo sem correr tanto risco, mas por empatia a outras pessoas que podem ser prejudicadas caso o Coronavírus se espalhe.

Muita gente está descobrindo o Home Office

Boa parte de nós, freelancers, já conhecemos o Home Office, que ficou famosinho nas últimas semanas por conta da pandemia.

No entanto, muitas empresas, gestores e profissionais que tinham certa resistência foram obrigados a se aventurar e começaram a trabalhar de suas casas.

Claro que algumas pessoas não irão se adaptar e devem estar sentindo grandes dificuldades nesse momento. Mas uma boa parcela está notando que pode ser mais produtivo, mesmo trabalhando em casa, e ainda pode aproveitar para estar perto da família, relaxar mais, ter uma qualidade de vida melhor.

O mercado pós coronavírus vai perceber que é possível trabalhar de um home office ou de um coworking, evitando ter que se deslocar por várias horas até o trabalho, enfrentando trânsito, correndo riscos desnecessários, tendo gastos com alimentação etc.

Empresas também entenderão que o home office traz economia de custos para o empreendedor. Mas, mais do que isso, trabalhar de casa deixa as pessoas mais confortáveis e felizes. E colaborador feliz produz mais. Assim, todos ganham.

Mergulharemos na transformação digital

Podemos definir transformação digital de forma simples: um jeito de incorporar soluções tecnológicas e digitais para resolver problemas tradicionais.

Após a crise causada pelo novo Coronavírus, vamos entender que, muito mais do que implementar novas tecnologias, a transformação digital é mudar um mindset antigo, clássico, burocrático, para algo mais dinâmico e disruptivo.

O mercado freelancer pode sentir grandes mudanças através da transformação digital ao pensar melhor sobre as relações de trabalho com clientes e parceiros. Por exemplo: contratos podem evoluir, sendo criados e compartilhados em ferramentas online. Reuniões, deslocamentos, utilização de insumos, tudo poderá ser repensado sob a ótica da transformação digital.

Movimentos sindicais e grupos de apoio a empreendedores se fortalecerão

Microempreendedores individuais, freelancers, autônomos como motoristas e entregadores de aplicativos, são classes profissionais que cresceram nos últimos anos, mas não possuem grandes grupos ou movimentos de suporte.

Podemos sentir essa mudança acontecendo. Em várias partes do país notamos grupos de empreendedores se unindo para criar alternativas de combate à crise. Um bom exemplo são os grupos e associações filiadas ao CONAJE (Conselho Nacional de Jovens Empreendedores), com braços em diversos estados do país.

Iniciativas como o S.O.S. Me Poupe!, que se tornará uma plataforma de contratação e conteúdos exclusivos para ajudar no combate à crise, é um exemplo claro de como muitas oportunidades irão surgir.

Como você pode se preparar para o mercado freelancer pós-Coronavírus?

Já vimos que muitas coisas mudarão no mundo, na sociedade, na economia. Você está preparado para mudar junto, se preparando para o que está por vir ou vai continuar agarrado ao tradicional, lutando para manter o status quo?

Se você faz parte do primeiro grupo, tem algumas coisas que você já pode ir fazendo para se preparar para este mundo que está surgindo. Sem dúvidas, daqui a alguns meses, quando a turbulência passar, você estará preparado para um novo mercado freelancer, para uma nova sociedade que está se moldando.

Alimente-se de informações confiáveis

A informação é uma grande aliada e pode te auxiliar a tomar decisões melhores. Se você se basear em informações falsas, tomará decisões erradas e isso pode significar seu fracasso.

Por isso, é importante se manter informado por canais confiáveis, com dados atualizados e bem embasados. Neste momento, aquele grupo de WhatsApp nem sempre é a melhor alternativa.

Procure se informar sobre o que está acontecendo no mundo diante da crise causada pelo Coronavírus nos sites da OMS, do Ministérios da Saúde e em portais de notícias com credibilidade atestada. Ao final do artigo você poderá encontrar alguns links.

Caso tenha dúvida se alguma informação é fake news ou não, confira os sites a seguir, que fazem checagem dos fatos.

https://www.saude.gov.br/component/tags/tag/novo-coronavirus-fake-news

https://g1.globo.com/fato-ou-fake/

https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/

Faça cursos e não pare de aprender

Se você está com mais tempo livre, essa é a hora ideal para deixar de procrastinar e fazer cursos, ler livros, aprender coisas novas.

Indico que você comece aprendendo mais sobre marketing digital. Ele está ajudando empresas a enfrentar a crise e, sem dúvidas, o mercado freelancer pós-Coronavírus vai precisar bastante de ações nesta área para poder continuar fazendo alguns negócios serem rentáveis.

O pessoal da Agência de Bolso fez um portal com informações ótimas para você que quer aprender mais. Lá você encontra dicas do que fazer para enfrentar esta fase, inclusive com dicas específicas de ações que podem ser tomadas por diferentes tipos de negócios. Além de materiais gratuitos como vídeos, ebooks e cursos.

Aqui neste post do portal A Gazeta você encontra uma lista com mais de 500 cursos online em diversos sites para se manter bem informado. Tem curso online e grátis até no site da Universidade de Harvard!

Acesse grátis o Freelas Contra o Coronavírus

Por fim, sugiro que você acesse grátis este material focado em produtividade e vendas chamado Freelas Contra o Corona.

São 3 materiais que podem te ajudar a:

  • Ser mais produtivo, especialmente em Home Office
  • Aprender a prospectar
  • Se preparar para negociações e vendas
  • Te dar mais um motivo para ficar em casa

Minha ideia é fazer o máximo que estiver ao meu alcance para que você possa se preparar para este momento conturbado.

Esse pacote é 100% gratuito e foi criado com 3 produtos:

  • Curso em Vídeo: Treinamento Online Vendas e Prospecção
  • Livro Digital: Manual Freelancer de Prospecção e Vendas
  • Livro Digital: O Jeito Ser Freelancer de Produtividade

Aproveite esse material e todas as informações aqui apresentadas para que você possa se preparar melhor para o mercado freelancer pós-Coronavírus.

Lembre-se que provavelmente não há como fugir da tempestade que enfrentaremos. No entanto, você tem a oportunidade de se proteger dela de alguma forma e sair mais fortalecido, mas não se engane, se você não se preparar, saiba que a crise pós-Coronavírus irá separar os freelancers profissionais dos amadores, e não haverá espaços para esse último.

REFERÊNCIAS:

https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2020/03/19/como-o-coronavirus-vai-impactar-o-mundo-das-entregas-online.htm

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/assim-mudara-o-capitalismo-por-mariana-mazzucato/

https://cinemacomrapadura.com.br/colunas/573961/artigo-o-impacto-do-coronavirus-nos-cinemas-pode-mudar-a-forma-como-consumimos-filmes/

https://veja.abril.com.br/mundo/coronavirus-senadores-republicanos-ameacam-atrasar-pacote-economico/

https://www.infomoney.com.br/negocios/motoristas-da-uber-poderao-pedir-auxilio-desemprego-nos-eua-gracas-ao-pacote-de-us-2-trilhoes-do-governo/

https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,coronavirus-sera-um-teste-para-nosso-estilo-de-vida-conectado,70003222359

https://www.vice.com/pt_br/article/wxekvw/o-mundo-depois-de-tudo-isso

https://www.nationalreview.com/2020/03/coronavirus-and-the-gig-economy/

Auxílio emergencial para freelancers: Tudo que você precisa saber

Auxílio emergencial para freelancers: Tudo que você precisa saber

Para ajudar a população a enfrentar a crise causada pelo Novo Coronavírus, o governo brasileiro criou um auxílio emergencial destinado aos freelancers, autônomos, desempregados, contribuintes individuais do INSS e MEIs que estiverem passando por dificuldades durante este período.

A seguir, explico tudo que você precisa saber sobre este auxílio emergencial, quem tem direito e como solicitar.

Quanto vou ganhar e por quanto tempo?

O auxílio emergencial pagará R$ 600,00 por pessoa pelo período de 3 meses, podendo ser prorrogado por mais tempo, caso a crise continue tendo impactos fortes na economia.

No entanto, só será permitido o pagamento para no máximo duas pessoas de uma família, totalizando R$ 1200,00. Dessa forma, se quatro pessoas da sua família tiverem direito, apenas duas poderão receber, sendo R$ 600,00 para cada uma.

Caso você seja mulher e a única provedora de sustento da casa, poderá acumular duas cotas, totalizando R$ 1200,00.

Quais os requisitos para ganhar o auxílio emergencial?

Para ter direito você deve se enquadrar em algum desses perfis:

  • Ser titular de pessoa jurídica (Micro Empreendedor Individual, ou MEI);
  • Estar inscrito Cadastro Único (CadÚnico) para Programas Sociais do Governo Federal até o último dia 20 de março;
  • Ter renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa (R$ 522,50) ou de até 3 salários mínimos por família (R$ 3.135), até 20 de março de 2020;
  • Ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social.

Se você é um freelancer, provavelmente se encaixa no perfil daqueles que possuem uma conta de pessoa jurídica.

Se encaixou em algum desses perfis anteriores? Agora você precisa cumprir a TODOS os requisitos abaixo para poder receber o auxílio emergencial.

  • Ter mais de 18 anos de idade e CPF ativo;
  • Ter renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa (R$ 522,50);
  • Ou ter renda mensal até 3 salários mínimos (R$ 3.135) por família;
  • Não ter recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018.

Portanto, se você mora em uma família com 4 pessoas e a renda familiar é maior que 3 salários mínimos, mesmo que se encaixe no perfil, não poderá receber, pois não cumpriu todos os requisitos. 

Ou seja, este auxílio é realmente para pessoas de baixa renda, que estão em dificuldade e precisam de um socorro emergencial.

Como me cadastrar para receber este auxílio emergencial?

Se você ainda não tem o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, pode fazer seu cadastro por um site ou aplicativo.

Não sabe se tem o CadÚnico? É só fazer uma busca rápida clicando aqui: https://meucadunico.cidadania.gov.br/meu_cadunico/

Se você não está no CadÚnico, pode fazer seu cadastro de forma simples e rápida pelo site da Caixa: https://auxilio.caixa.gov.br/

Ou pelos aplicativos para Android e iOS.

Depois é só cadastrar algumas informações básicas que são solicitadas e esperar.

Não é necessário ir a uma agência para nada. Tudo pode (e deve) ser feito online, para evitar que você se exponha ao vírus. 

Ao fim, você poderá escolher um banco para ser depositado o valor. Basta que a conta esteja com o seu CPF, podendo ser de qualquer instituição bancária, inclusive bancos digitais.

Se você não tiver, poderá criar uma conta especial, grátis, que ficará ativa apenas pelo período em que você irá receber o benefício.

Quando recebo o dinheiro?

O primeiro pagamento será feito da seguinte forma:

Quem está no Cadastro Único, não recebe Bolsa Família e têm conta no Banco do Brasil ou poupança na Caixa Econômica Federal recebe a primeira parcela na quinta-feira (9 de abril);

Quem está no Cadastro Único, não recebe Bolsa Família e não têm conta nesses bancos receberá na terça-feira (14 de abril);

Quem não está no Cadastro Único: em 5 cinco dias úteis após inscrição no programa de auxílio emergencial;

Quem recebe Bolsa Família receberá nos últimos 10 dias úteis de abril, seguindo o calendário regular do programa. Vale lembrar que se o valor que a pessoa recebe de Bolsa Família for maior que esse, continuará recebendo o valor maior, não sendo cumulativo.

Tem mais dúvidas?

Não sabe se vai se encaixar nos requisitos, tem dúvidas? Não vá até uma agência. A recomendação é que você acesse o site ou app e faça o seu cadastro. Se tiver qualquer erro, ou se você não se encaixar nos requisitos, o sistema irá barrar. Se der certo, pronto, você terá seu auxílio emergencial.

Para mais dúvidas você pode acessar esse post do G1 que responde as perguntas mais frequentes.

E se precisar, pode contar comigo! Mande seu comentário ou me chame nas redes sociais.

O que eu posso fazer? Sobre o COVID-19

O que eu posso fazer? Sobre o COVID-19

Essa é a pergunta de diversas marcas, e também deve ser a pergunta de diversos indivíduos. Isso não apenas sobre posicionamento e branding, isso é sobre saúde, empatia, conscientização e ajuda. Isso não pode e nem deve ser apenas como meio de promoção ou sobre a marca mostrar que esta fazendo algo. Esse é o momento em que SE você pode fazer algo a respeito: FAÇA e SE NÃO puder, como disse o amigo Vinicius Gambeta do Agência de Bolso, não diga e nem faça nada.

Além dos conteúdos que já to repostando, compartilhando e mesmo produzindo por aqui e outras redes, continuei e continuo pensando diariamente em O QUE EU POSSO FAZER? Inspirado no querido @marcelokimura e sua ótima ao liberar os ebooks, vou seguir na mesma linha. O que eu faço de melhor aqui é compartilhar algum pouco conhecimento que vou adquirindo no decorrer da carreira, e sei que diante dessa crise que estamos vivendo é mais do necessário estarmos preparados (e otimistas no máximo possível), para quando ela passar.

Por isso, reuni 3 dos produtos que acredito que faça mais sentido e estou disponibilizando em formato de pacote, totalmente free. Esses materiais podem te ajudar a:

  • Ser mais produtivo, especialmente em Home Office.
  • Aprender a Prospectar.
  • Se preparar para Negociações e Vendas.
  • Te dar mais um motivo para ficar em casa.

No pacote você encontrará:

  • Curso em Vídeo: Treinamento Online Vendas e Prospecção.
  • Livro Digital: Manual Freelancer de Prospecção e Vendas.
  • Livro Digital: O Jeito Ser Freelancer de Produtividade.

O link estará disponível clicando aqui.

Convido você não apenas a acessar, mas também a compartilhar com todos os amigos que achar necessário, mas sobretudo te convido a refletir: O QUE VOCÊ PODE FAZER?

Como precificar sua hora como freelancer?

Como precificar sua hora como freelancer?

“Quanto você cobra pra fazer tal coisa?”

Você já deve ter ouvido esse questionamento muitas vezes. E já deve ter passado um apuro para fazer as contas rapidamente em sua cabeça e tentar precificar algum tipo de trabalho.

Precificar sua hora como freelancer pode ser uma missão difícil. Afinal, cada cliente é um cliente, cada trabalho apresenta uma complexidade, tem características únicas.

Às vezes ficamos com receio de cobrar um valor caro demais e perder o cliente. Ou de cobrar a menos e ficar no prejuízo.

São vários fatores que precisam ser levados em conta. E é sobre eles que vamos falar melhor a seguir. 

Analise o mercado

Para precificar sua hora como freelancer, você pode iniciar analisando o mercado em que está inserido. Tente descobrir como trabalham os seus concorrentes, quanto cobram e como realizam seus serviços.

Eles possuem algum diferencial? Têm algum valor agregado que enche os olhos do cliente? Alguma forma de pagamento que facilita o fechamento de um negócio?

Conhecendo o mercado, você pode avaliar os valores médios cobrados pela concorrência, pensar em formas de agregar valor ao seu serviço e se diferenciar dos demais ou criar preços especiais e promoções para conquistar o público.

Quanto você quer ganhar?

Uma das formas mais simples e práticas de precificar sua hora como freelancer é pensar em quanto você gostaria de ganhar por mês e fazer o cálculo baseado nessa ideia.

Por exemplo: você identificou que precisaria de um salário de R$ 4.000 por mês, trabalhando 7 horas por dia, em 5 dias da semana e tendo pelo menos 6 semanas livres para tirar férias. Fazendo uma conta básica (ou se quiser facilitar ainda mais, usando a calculadora freelancer) chegamos ao valor de R$ 36 reais por hora.

Poderíamos encerrar por aqui, afinal você já chegou a um valor. No entanto, preciso te confessar: nem sempre esse será o ideal a cobrar por um job.

Se você fosse fazer apenas este cálculo simples, deveria incluir nesse valor que você “quer ganhar” uma análise do quanto outros profissionais ganham ao trabalhar em empresas do ramo. Se você fosse CLT em uma empresa, desempenhando essa função, quanto receberia? Não adianta querer ganhar muito mais do que o mercado paga, não é mesmo?

Quanto você precisa ganhar?

Após a primeira análise, feita anteriormente, vamos mais a fundo: quanto você PRECISA ganhar? Aqui você deve pensar em todos os custos que estão envolvidos no processo.

Descubra quanto gasta mensalmente com luz, água, aluguel, internet, estacionamento, locomoção, locação ou compra de equipamentos, assinaturas de programas ou sites, entre outras despesas.

Somando tudo o que você tem de custo, chegará a um valor. Agora, após analisar o mercado, o quanto outros profissionais ganham e o quanto você gostaria de receber, pode entender se o valor da hora cobrada vai suprir suas necessidades. 

É importante ressaltar, e sempre relembro disso, que esse valor está considerando apenas os seus custos, portanto não estamos considerando aqui o lucro. Você pode e deve adicionar a esses valor um percentual de lucro, algo em torno de 50% a 150% acima do valor calculado. Lucro é o dinheiro que você usará para reinvestir no negócio ou usar para você mesmo.

Quanto o cliente pode pagar?

Na realidade o cliente pagará o que for preciso, desde que ele veja muito valor naquilo que está sendo entregue. Veja os “applemaníacos”. Eles pagam qualquer valor, pois acreditam que o que lhes é entregue realmente vale a pena.

No entanto, o que você precisa entender aqui é que cada trabalho e cliente tem suas particularidades.

Antes de fechar um contrato, busque o máximo de informações sobre o job. Qual a complexidade dele? Quantas horas por dia você se dedicar a ele? Terão gastos extras? Você vai precisar se deslocar, fazer reuniões, adquirir algum equipamento específico?

E mais: esse cliente é grande ou pequeno? Ele poderá pagar pelo que está propondo? Será que ele precisa de uma solução robusta, um trabalho elaborado, ou algo mais simples e prático já resolve o problema?

Não adianta pensar só em você. É preciso pensar no seu cliente; afinal, é ele que vai pagar por seu trabalho e provavelmente será ele que lhe indicará para novas oportunidades. 

Entenda mais sobre o trabalho freelancer

Para que você consiga precificar sua hora como freelancer, é preciso que entenda realmente como funciona esse mercado. Você precisa transformar sua visão sobre o trabalho autônomo e entender que é possível ganhar muito dinheiro sendo freelancer.

Mas, para isso, você precisa ter mentalidade (e atitude) vencedora!

Se você quer aprender e dominar os 7 Pilares do Sucesso Freelancer, precisa fazer parte da Comunidade Freela Pass.

Toda semana você terá conteúdos inéditos sobre um dos pilares. Serão lives, podcasts, artigos, estudos de caso, relatórios, além de conteúdos inéditos de especialistas e muitos outros materiais.

Fazendo parte dessa comunidade, você conseguirá não apenas precificar sua hora como freelancer, mas também prospectar novos clientes, organizar sua rotina, suas finanças e conhecer diversas técnicas e ferramentas essenciais para te tornar um freelancer de sucesso!